Prefeitura vai arcar com dívida de consignados superior a meio milhão deixada por ex-gestor em Caaporã

A Prefeitura de Caaporã vai arcar o pagamento de uma dívida superior a meio milhão de reais deixada pela gestão anterior junto a Caixa Econômica Federal (CEF). A informação foi confirmada, nesta sexta-feira (10), pelo prefeito Kiko Monteiro (PDT).

Prefeitura vai arcar com dívida de consignados superior a meio milhão deixada por ex-gestor em Caaporã

A Prefeitura de Caaporã vai arcar o pagamento de uma dívida superior a meio milhão de reais deixada pela gestão anterior junto a Caixa Econômica Federal (CEF). A informação foi confirmada, nesta sexta-feira (10), pelo prefeito Kiko Monteiro (PDT).

A dívida surgiu a partir do não repasse do recolhimento de valores referentes a empréstimos consignados dos servidores do município de Caaporã nos meses de novembro e dezembro do ano anterior.

De acordo com informações do banco, o não repasse de valores para a Caixa Econômica por parte do ex-gestor gerou uma dívida de R$ 631.738,80, para a gestão do atual prefeito.

Diante da situação, mais uma vez, o prefeito Kiko Monteiro dando prova do seu compromisso e zelo pelos diretos dos servidores, para que eles não continuem com seus nomes negativados e outros, diante da necessidade, impedidos de contrair empréstimo, firmou nesta sexta-feira (10), junto à Agência da Caixa Econômica Federal, localizada no bairro de Cruz das Armas, em João Pessoa, um Instrumento Particular de Acordo para regularização do repasse referente aos empréstimos consignados deixados em aberto pela gestão anterior.

“Esse é um passo muito importante e de grande valia para os diversos servidores que ficaram prejudicados pela irresponsabilidade da gestão anterior. Essa é mais uma prova concreta de que a nossa gestão foi inteiramente estruturada pensando, de verdade, em fazer o melhor pelos nossos munícipes e transformar cuidado e carinho para com o nosso povo, em nossa marca maior”, afirmou o prefeito Kiko Monteiro.

Porém, a equipe jurídica da prefeitura acionará a justiça para que os responsáveis por retirar verbas dos pagamentos de servidores e não ter repassado à Caixa, sejam punidos.